A Apple afirma que o FBI também pode desbloquear o iPhone do Brooklyn

FBI O caso de San Bernardino pode ter chegado ao fim, mas a disputa entre os FBI e a Apple está longe de fazer isso. Atualmente, há outro caso pendente em que a polícia dos EUA está pedindo à empresa de Cupertino ajuda para acessar dados do iPhone 5s de Jun Feng, um Traficante de metanfetamina do Brooklyn ele diz que você não se lembra da senha do telefone. Feng já foi condenado, mas o FBI quer ver se seu iPhone possui informações que possam levá-lo a outros traficantes.

O FBI diz que a Apple é a única empresa que pode ajudá-los a acessar o iPhone 5s da Feng porque o método usado para acessar os dados do iPhone 5c do atirador de elite San Bernardino não funciona em dispositivos mais novos. De acordo com o FBI, o cortar que eles usaram só funciona naquele caso particular (e eu vou e acredito nisso ...). Sem dúvida, as forças da lei querem continuar pressionando para poder entrar em nossos telefones sem maiores problemas.

De acordo com a Apple, o FBI não precisa mais de sua ajuda

Por outro lado, a Apple diz que o FBI tem tudo para quebrar a segurança do telefone sem a ajuda deles e que eles só querem forçá-los a fazer o trabalho por criar um precedente que eles podem usar para outros casos. O advogado, que deseja manter o anonimato, diz que o iPhone do Brooklyn usa uma versão antiga do iOS que o FBI já conseguiu hackear nas investigações de San Bernardino, então ele acredita que ainda deve ser mais fácil acessar seus dados. Quanto mais nova for a versão, mais difícil será quebrá-la.

Acho que o FBI errou em aceitar ajuda de Cellebrite. Ficou demonstrado que sua intenção é criar um precedente e, ao pedir ajuda a uma terceira empresa para acessar um iPhone, ele criou um precedente que a Apple pode usar em futuras alegações, como fez no caso do revendedor do Brooklyn. Veremos o que acontece no próximo episódio da novela Apple vs. FBI.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

5 comentários, deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: Miguel Ángel Gatón
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   pacoflo dito

    Que cortaram o dedo dele, certo? Se for um 5s

    1.    David dito

      O Touch ID não funciona se o dedo não tem a corrente elétrica normal que tem quando está "vivo", ligado ao corpo
      Ou seja, o scanner não se baseia apenas na impressão digital em si, mas também na carga elétrica do celular

      1.    javi dito
        1.    Pablo Aparicio dito

          Olá Javi. David está parcialmente certo. Você precisa de um dedo vivo. Se você notar, aquele naquele vídeo ele o coloca em cima do seu próprio dedo porque o que ele precisa é de um pulso, não de eletricidade. Esse pulso ou fluxo sanguíneo é perceptível mesmo se você tiver plastelina.

          Uma saudação.

  2.   David dito

    Olá Pablo
    Baseia-se nas diferentes cargas elétricas dos vales e cristas da pegada, que por sua vez vem do pulso; mas não é o pulso em si, é a diferença nessa carga
    Uma saudação