O iPhone 6s na China: os problemas que a Apple não conta

Apple Store China

As Vendas de iPhone 6s e iPhone 6s Plus durante o primeiro fim de semana de seu lançamento, eles foram um assunto de que a Apple se gabou. Porém, embora novos recordes tenham sido quebrados, a verdade é que tem coisas que não vão tão bem e a empresa não divulga porque são dados que a prejudicam. Além do mais, os próprios investidores sabem disso e é por isso que as ações da Cupertino ainda não explodiram para que os novos telefones sejam entendidos como uma grande oportunidade de mercado.

Maso que exatamente está acontecendo com a Apple? Na verdade, o problema de Cupertino está em um país que já considera um de seus principais mercados: o gigante asiático China. Não é que a China tenha parado de apostar no iPhone com o iPhone 6s, mas que a concorrência e a delicada situação econômica que atravessa fizeram com que a demanda despencasse. A Apple fala sobre números de vendas globais que ultrapassam 13 milhões de unidades em todo o mundo. E se o analisarmos especificamente no país da Ásia?

Embora os cálculos não sejam exatos, porque os números não são publicados oficialmente, uma comparação pode ser obtida se os lucros da empresa no trimestre atual, e no anterior na China, forem tomados como dados. Nesses períodos, o volume de negócios no país foi responsável por cerca de 28% do total obtido. Se pegarmos esses 28% do número total de telefones que foram vendidos no primeiro fim de semana, chegaremos ao número 3.64 milhões de iPhone 6s. Esse número total está muito longe do percentual que concedeu no ano passado com os 9,36 milhões de iPhones vendidos. A queda tem seu preço, e é por isso que as ações da Apple não estão indo como alguns poderiam ter previsto.


O conteúdo do artigo segue nossos princípios de ética editorial. Para relatar um erro, clique Clique aqui.

3 comentários, deixe o seu

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

  1. Responsável pelos dados: AB Internet Networks 2008 SL
  2. Finalidade dos dados: Controle de SPAM, gerenciamento de comentários.
  3. Legitimação: Seu consentimento
  4. Comunicação de dados: Os dados não serão comunicados a terceiros, exceto por obrigação legal.
  5. Armazenamento de dados: banco de dados hospedado pela Occentus Networks (UE)
  6. Direitos: A qualquer momento você pode limitar, recuperar e excluir suas informações.

  1.   Sempre dito

    Existem vários tipos de compradores no mercado:

    1) Aquele que tem dinheiro de sobra e compra um telefone porque lhe dá uma sensação de status na sociedade.

    2) Pessoas que seguem a moda sem saber o que compram.

    3) O usuário fiel que conhece a marca há muito tempo, sabendo o que compra e que aos poucos se sente frustrado ao longo dos anos pelo desconhecimento da marca em relação a ele.

    4) Quem quer e não pode ter um modelo 3 vezes abaixo do atual sente-se frustrado por não poder ter o modelo atual.

    Para mim o comprador mais sensato e quem realmente deixa o dinheiro é o usuário fiel, que é o mais abandonado e foi aquele com o qual a marca cresceu, a Apple só está aproveitando uma situação de poder, estando neste momento no superior, mas isso não significa que isso deixe de ser o caso e talvez seja aí que ele se lembre de seus clientes mais fiéis que os abandonaram por causa de sua grande ganância.

    O mercado asiático é o mais complicado de todos, tanto em variedade quanto em preço, vai ser difícil.

    Uma saudação

  2.   Anti-empregos dito

    Segundo seu comentário, exceto pelo primeiro ponto, ninguém, absolutamente ninguém com dinheiro, vai se sentir com status social por ter o smartphone da moda.

  3.   SIMON dito

    um comentário sem muita importância:
    Vejamos, 28% do total de celulares vendidos em um fim de semana não precisa ser o vendido na China. O mesmo este ano que 36% até a chegada da maçã nos disse que as porcentagens são todas estimativas falsas.
    Se eles voltaram a bater recordes, tenha em mente que é graças à Ásia e nada mais.
    Há 1100 milhões de chineses, há muita margem.